Teste de Romberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Teste de Romberg é um exame neurológico que é usado para avaliar as colunas dorsais da medula espinhal,[1] que são essenciais para a propriocepção (localizar a posição das articulações) e sentido vibratório.

Um teste Romberg positivo sugere que a ataxia é de natureza sensorial, ou seja, depende da perda da propriocepção. Um teste Romberg negativo sugere que a ataxia é de natureza cerebelar, ou seja, depende de disfunção localizada do cerebelo.

 

Procedimento

O examinador deve pedir para o paciente permanecer em pé com os pés juntos, mãos ao lado do corpo e olhos fechados por um minuto. O examinador deve permanecer perto do paciente por precaução, já que este pode cair ou se machucar. O teste é considerado positivo quando se observa o paciente balançar, balançar irregularmente ou mesmo cair. A característica principal a ser observada é que o paciente se torna mais instável com os olhos fechados.

 

Romberg positivo

O teste de Romberg é positivo em doenças que causam ataxia sensorial como:

·         Doenças que afetem as colunas dorsais da medula espinhal, como tabes dorsalis (neurosífilis).

·         Doenças que afetam os nervos sensitivos (neuropatias sensoriais periféricas), como a polirradiculoneuropatia desmielinizante inflamatória crônica

·         Ataxia de Friedreich

 

História

O teste recebe o nome em homenagem aneurologista alemão Moritz Heinrich Romberg (1795-1873), que deu seu nome para a síndrome de Parry-Romberg e a síndrome de Howship-Romberg.


 



 

  Site Map